Close
Metadata

%0 Thesis
%4 sid.inpe.br/iris@1912/2005/07.20.06.54.53
%2 sid.inpe.br/iris@1912/2005/07.20.06.55
%F 7509
%T Comparações entre as medidas de precipitação estimadas através do sensor SSM/I e a correspondente estrutura tridimensional da precipitação inferida via radar meteorológico de São Paulo
%J x
%8 1995-12-18
%9 Dissertação (Mestrado em Sensoriamento Remoto)
%P 78
%A Oliveira, José Luís de,
%E Ferreira, Nelson Jesus (orientador/presidente),
%E Massambani, Oswaldo (orientador),
%E Soares, João Vianei,
%E Epiphanio, José Carlos Neves,
%E Silva Dias, Maria Assunção da,
%I Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)
%C Sao Jose dos Campos
%K São Paulo (Estado), precipitação (meteorologia), sensores, radar meteorológicos.
%X Este trabalho apresenta uma comparação entre dados de precipitação, observados simultaneamente pelo sensor de microondas SSM/I e por um radar meteorológico banda S sobre a região de São Paulo. Foram escolhidos dois eventos meteorológicos em 1991, sendo o primeiro caracterizado como um sistema convectivo isolado e o segundo como um fenômeno meteorológico de larga escala associado a sistemas frontais. Os dados de precipitação do SSM/I na frequência de 85,5 GHz foram processados na NASA, utilizando-se o algoritmo da Goddard Scattering Algorithm (GSCAT)que relaciona a temperatura de brilho em 85,5 GHz com taxa de precipitação. Analisou-se a estrutura tridimensional do campo de refletividade do radar, visando identificar a presença de hidrometeoros suspensos que, devido ao espalhamento em 85,5 GHz, não foram classificados como precipitação. Esta analise foi feita utilizando-se dados de altura do topo de nuvens (ECHOTOP)e dados de precipitação em vários CAPPIs em 3, 4, 6 e 8 km do radar meteorológico de São Paulo. Para a compatibilização de resoluções espaciais e a integração dos dados estimados tanto para o sensor SSM/I como do radar meteorológico, desenvolveu-se um sistema de processamento de imagens, com recursos de visualização, navegação pontual, realce e degradação. Os resultados obtidos sugerem que os dados fornecidos pelo sensor SSM/I e radar meteorológico podem ser usados para simular as propriedades de microfísica de nuvens a partir da utilização de suas estruturas verticais. Observou-se que existe uma boa correlação entre as taxas de precipitação estimadas pelo algoritmo GSCAT e as alturas dos topos de nuvens (ECHOTOP)do radar meteorológico. Além disso, estes instrumentos conseguem localizar coerentemente os núcleos com altas taxas de precipitação.
%@language pt


Close