Close
Metadata

%0 Book
%4 dpi.inpe.br/banon/1998/06.30.17.56
%2 dpi.inpe.br/banon/2001/01.11.16.06.25
%A Banon, Gerald Jean Francis,
%A Barrera, Junior,
%T Bases da morfologia matemática para a análise de imagens binárias
%D 1998
%7 segunda
%I MCT/INPE; depositado no acervo da URLib.
%C São José dos Campos
%K mathematical morphology, binary image, erosion, dilation, opening, closing, galois connection, digital topology, morphological machine, morfología matemática, imagem binária, erosão, dilatação, abertura, fechamento, conexão de galois, topologia digital, máquina morfológica.
%X A Morfologia Matemática foi criada em meados da década de sessenta, pelo grupo liderado por Georges Matheron e Jean Serra, da École Supérieure des Mines de Paris, em Fontainebleau. Até o final dos anos setenta, seu grande potencial para a Análise de Imagens tinha sido reconhecido e bastante utilizado na Europa, principalmente nas áreas envolvendo Microscopia. A partir dos anos oitenta, a Morfologia Matemática começou também a ser difundida nos Estados Unidos e hoje é um fértil campo de pesquisas, tanto teóricas como práticas, sendo vigorosamente explorado em todo o mundo. No INPE, a Morfologia Matemática começou a ser estudada por volta de 1984, com a chegada de um engenheiro que participava de um programa de cooperação técnica com a Franca, Christian Guichou. Em 1986, foi desenvolvido na Divisão de Processamento de Imagens do INPE um software de Análise de Imagens baseado na Morfologia Matemática e denominado ANIMA, por vários membros daquela Divisão. Embora esse software fosse relativamente simples, oferecendo apenas algumas operações em imagens binárias, já era possível obter resultados interessantes, como deteção de bordas, contagem de partículas, etc. No ano seguinte, um dos autores deste livro, Junior Barrera, completou com brilho sua dissertação de mestrado na área. Os estudos prosseguiram, com o outro autor do livro, Dr. Gerald J. F. Banon, liderando uma série de seminários sobre os trabalhos de Petros Maragos. Além de alguns resultados aplicados, envolvendo a eliminação de listras em imagens do satélite Spot, ou a avaliação do desempenho de detetores morfológicos de bordas que haviam sido propostos por Robert M. Haralick, importantes resultados teóricos foram obtidos pelos autores deste livro, com a generalização de decomposições para operadores invariantes por translação (i.t.) e isotônicos, para o caso de operadores i.t., mas não necessariamente isotônicos e a extensão desses resultados originalmente formulados para subconjuntos, para o caso geral de transformações quaisquer entre dois reticulados completos. O autor deste prefácio teve, portanto, a oportunidade de ser testemunha do empenho e da capacidade demonstrados pelos Drs. Banon e Barrera, que agora oferecem à comunidade acadêmica a oportunidade de, pela primeira vez, ter disponível em lingua portuguesa um texto dedicado à Morfologia Matemática.
%P 242
%O Primeira edição publicada em 1994 pela IX escola de computação. This work has been supported by CNPq under contract 300966/90-3.
%O
%O Em 17 de setembro de 2020, os apontamentos azul nas Páginas vii e viii do pré-texto somente funcionavam com o Mozilla Firefox (não funcionavam nem com o Crome, nem com o Microsoft Edge).
%( sid.inpe.br/iris@1912/2005/07.20.04.42.40
%3 pre-texto.pdf


Close